Paulo Maia, coach da OCE


Ao término da temporada de todo atleta de ciclismo, mountain bike e triatlo é comum esperar pelo famoso (e tão esperado por alguns) período de transição. Nesta fase, o principal objetivo é descansar e se recuperar bem com o intuito do que chamamos de “recarregar as baterias” de todo o desgaste físico e mental acumulado da temporada que passou e começar a pensar na temporada seguinte.

Um erro muito comum é pensar que nesta fase do treinamento não há necessidade alguma de praticar atividades físicas, seja de bike ou qualquer outro tipo, independente se treinou com regularidade ao não ao longo da temporada. Desta forma, muitos atletas passam o mês sem realizar nenhum tipo de atividade física, apenas descansado, aproveitando amigos, família e dormindo até mais tarde. Isso não é de forma alguma condenável, pelo contrário, é muito bom para o lado social e psicológico, porém nem tanto para a temporada seguinte.

O período de transição não significa quatro semanas sem atividades físicas, mas um tempo onde é viável que o atleta cesse os treinamentos de ciclismo e MTB porém realize outras modalidades esportivas, até mesmo para trabalhar musculaturas pouco utilizadas durante a pedalada. Quanto mais tempo o atleta ficar parado e se tornar sedentário, maior o tempo para que ele volte a forma física e a treinar como antes. Por isso, a necessidade de realizar atividades físicas neste período.

Cada atleta demanda um período diferenciado, à depender da temporada realizada, do número de provas competidas, treinos não concluídos e outros fatores. Assim, o tempo dentro deste período também varia de acordo com que cada atleta realizou durante a temporada.

Eu particularmente indico caminhadas, trekking, corridas moderadas (caso o atleta não tenha lesões articulares), futebol com amigos, peteca, natação, surf, stand-up paddle, badminton, tênis, squash, slackline e até mesmo o ciclismo/MTB com um viés de apenas movimentar o corpo, descobrir novas trilhas, fazer novos amigos ou se aproximar de familiares.

O período de transição é uma fase onde o atleta deve descansar bastante, porém deve manter um mínimo de atividade física para que seu retorno aos treinos seja mais eficiente. Para os atletas fissurados por ciclismo/MTB, a sugestão é realizar pedais “expedicionários”, buscando conhecer novos trajetos/trilhas que poderão ser utilizados durante o a temporada seguinte, sem preocupação com potência, frequência cardíaca ou cadência. Pausas para fotos, para observar a natureza e colocar o papo em dia com os amigos também são bem-vindos.

Junto ao período de transição é interessante iniciar trabalhos de fortalecimentos de todo o corpo. Para isso, nada melhor que uma avaliação fisioterápica, onde são examinados e testados os grupamentos musculares que estão mais fortes e os que estão mais fracos. A OCE tem parceria e indica a Dinâmica Soluções em Saúde e oferece descontos para atletas que queiram melhorar este aspecto.

Após toda esta avaliação é gerado um laudo, que é cedido para o atleta, e em seguida é realizada a parte prática, onde os profissionais da fisioterapia esportiva passam uma lista de exercícios (um por um) de trabalhos a serem realizados para aquele atleta específico. Desta forma já começamos a pensar na temporada seguinte com qualidade. Excelente início de temporada a todos atletas.